Doces Halal: como produzir e exportar?

Para aumentar suas exportações, muitas empresas, inclusive brasileiras, estão começando a produzir doces Halal, cuja fabricação difere dos produtos convencionais. Um de seus principais diferenciais está em não utilizar gelatina suína, além de corantes e outros aditivos cujo uso é proibido pela lei islâmica.

Eles são permitidos para o consumo muçulmano e, portanto, abrem portas para quem deseja conquistar esse enorme público consumidor.

Se você deseja se aprofundar no assunto, está no lugar certo. Continue a leitura para conhecer os diferenciais dos doces Halal e o procedimento necessário para começar a exportá-los.

O que são doces Halal?

Antes de tudo, é importante conhecer o conceito Halal. Halal significa lícito, autorizado, ou seja, permitido ao consumo humano. Muito mais do que um simples conceito, é considerado, na religião islâmica, um código ético e moral, que reforça valores, incluindo regras de conduta, comportamentos, alimentação, bens de consumo e serviços.

Doces Halal, portanto, são aqueles cujo consumo é permitido por Deus, conforme ordenanças presentes no Sagrado Alcorão. Eles não contêm componentes extraídos de animais proibidos. Além disso, não afetam a saúde humana e seus processos de produção são realizados com transparência, seguindo rígidas normas de qualidade.

Alguns dos ingredientes comumente usados ​​em indústrias de doces e confeitaria cujo status Halal é questionável incluem:

  • Gelatina: muito utilizadas em doces, as gelatinas encontradas no Brasil costumam ser de origem suína, o que não é permitido na lei islâmica. Existem dois tipos de gelatina adequados para doces Halal: a gelatina bovina de animais abatidos conforme os procedimentos Halal e a gelatina de peixe.
  • Monoglicerídeos e diglicerídeos: emulsificantes muito utilizados nas indústrias de confeitaria e doces, eles devem ser de origem vegetal para que sejam considerados Halal.
  • Outros emulsificantes: polissorbatos de diferentes tamanhos moleculares e outros emulsificantes de uso específico também são questionáveis ​​devido às suas fontes. É preferível evitar aqueles que têm origem animal.

Confira, agora, as especificações necessárias para que determinados doces sejam considerados Halal.

  • Marshmallows: constituídos principalmente por açúcar, gelatina e aromatizantes, esses doces precisam conter gelatina de peixe ou bovina com certificação Halal. Além disso, o maquinário utilizado em sua produção deve ser devidamente higienizado.
  • Chicletes: pode haver muitos ingredientes duvidosos em bases de gomas de mascar, como gelatina e estearato, que precisam ser selecionados adequadamente para a produção do chiclete Halal.
  • Biscoitos: nesses produtos, a base costuma ser farinha, óleo e açúcar. Mas há alguns ingredientes secundários que podem ser duvidosos, como os mono e diglicerídeos, polissorbatos, entre outros de possível origem animal.

Como começar a exportá-los para muçulmanos?

Para começar a exportar doces Halal e aproveitar as oportunidades desse mercado em expansão, é necessário obter a certificação Halal junto a uma certificadora reconhecida mundialmente.

Depois de encontrar a melhor instituição certificadora, você deverá entrar em contato para saber como funciona todo o processo e formalizar a sua solicitação. Em seguida, será preciso passar por uma avaliação documental, seguida de auditorias e análises que verificarão as matérias-primas utilizadas em seus produtos e seus procedimentos de fabricação.

Os auditores da certificadora avaliarão se as informações foram fornecidas com transparência e analisarão a conduta comercial de sua empresa. Se houver a utilização de ingredientes de origem animal, seu abate deverá ser feito da forma correta, seguindo procedimentos específicos. Também será verificado o fato da empresa destinar parte de seus lucros em prol do meio ambiente e da humanidade.

Ao final de todo o processo, o Comitê de Certificação avaliará todas as informações e, após a aprovação, será emitido um certificado Halal, documento que atesta que a empresa segue os critérios determinados pela Jurisprudência Islâmica para a produção de seus itens. Com ele, você poderá começar a exportar seus produtos para novos países, aumentando a sua competitividade e lucratividade.

Os doces Halal seguem rígidas normas quanto à sua composição e fabricação para que possam atender ao público consumidor muçulmano. Produzi-los abre portas para empresas que desejam internacionalizar sua operação, mas, para isso, é preciso ter a certificação Halal. Mais do que um simples certificado, trata-se de uma garantia de qualidade que diferenciará sua empresa da concorrência.Agora que você já sabe como produzir e vender doces Halal, o que acha de conhecer as vantagens da certificação da Cdial Halal? Boa leitura!

A CDIAL HALAL é referência Global em Certificação Halal e mantém parcerias estratégicas com Empresas de Alimentos de Classe Mundial. Parte relevante de seus investimentos é direcionada à preparação e Qualificação dos Colaboradores, Gestão da Qualidade, Segurança dos Alimentos, bem estar animal, além da constante ampliação da capacidade produtiva para atender as demandas de mercado.
Post criado 75

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo
PortugueseEnglishSpanishArabic